Tratamento de água e Reciclagem de lixo na Holanda

postado em: Vida na Holanda | 0

A relação holandesa com a água é antiga, desde a era medieval esse povo defende e recupera a sua terra do mar. Essa luta pela sobrevivência os fizeram especialistas em tecnologia aquática. Qualquer água suja pode ser transformada em água potável e sem cloro pelos holandeses. Por este motivo, 99,9% das residências holandesas recebem água pura diretamente da torneira.

Tratamento de agua na Holanda
Fonte foto- Pixabay

 

Segundo o site Waterand the Dutch,  o sistema de tubos de água dos Países Baixos tem uma taxa de fuga entre 3% e 5%, bem abaixo da média de 10% dos outros países europeus, devido em grande parte à tecnologia de sensores e manutenção regular. A qualidade da água e a utilização correta desse recurso são assuntos de extrema relevância pelas autoridades holandesas.

A conscientização holandesa da maneira correta de descartar o lixo também é alta, parte disso se deve as altas taxas de imposto de coleta de lixo não reciclável além das multas por descarte incorreto. A coleta é feita semanalmente de forma alternada conforme um calendário determinado pela prefeitura de cada cidade.

Os moradores são responsáveis pela correta separação dos detritos, da seguinte forma:

Reciclagem de lixo na Holanda
Fonte foto- Pixabay

Lixo orgânico

Denominado aqui pela sigla GFT (groeten,fruit,tuin), vegetais, frutas e restos de jardins e resíduos biodegradáveis. Este lixo é  colocado num container verde e recolhido pela prefeitura a cada duas semanas;

Lixo de papel

Todo papel reciclável e papelão, colocado num container azul;

Lixo comum ou Restafal

Colocado num container cinza dentro de um saco preto que deve ser comprado no supermercado. Este tipo de lixo inclui tudo aquilo que não pode ser reciclável;

Lixo reciclável

Plásticos, metais, embalagens de leite, latas entre outros devem ser descartados em sacolas plásticas próprias distribuídas de forma gratuita nos supermercados;ou atráves de container pretos com cores laranjas.

Vidro

Existe uma lixeira própria com separador de cores para vidros verdes, brancos e marrons.  Sendo que as garrafas de cerveja podem ser trocadas por centavos em máquinas de troca dentro dos supermercados, juntamente com as garrafas pets.

As Lâmpadas, pilhas e baterias

Podem ser descartadas em locais específicos nos supermercados. Artigos eletrônicos quebrados podem ser coletados nas lojas de eletrônicos.

Os remédios

Os remédios vencidos são entregues para o descarte diretamente nas farmácias.

Os resíduos grandes

Como, por exemplo, um móvel velho, sobras de pequenas manutenções em casa, grandes caixas de papelão ou isopor, devem ser levados para um depósito de reciclagem, localizado em cada cidade, e que impressiona pela organização.

As roupas e sapados

Em bom estado são recolhidos dentro de um saco especifico para essa finalidade uma vez por mês ou podem ser entregues nas lojas Kringloopwinkel, que são lojas de artigos de venda de produtos de segunda mão, encontradas em todas as cidades.

Essas lojas vendem de tudo, como pratos, roupas, sapatos, brinquedos, móveis, eletrônicos e CDs, Dvds dentre outras coisas. O estimulo ao reuso é forte em toda a comunidade, inclusive em alguns centros comunitários existem pontos de escambo, ou seja, você leva o que não precisa mais e troca por algo que queira.

 

Você tem dúvidas em qual lixo deve descartar o material?

Fácil ! Segue a dica que li no Instragram Fica a dica Holanda. Acesse o site Alvalscheidingwijzer digite o que você quer jogar fora (em holandês) e o sistema irá lhe mostrar em qual lixo você deve descartar.

Reciclagem de lixo na Holanda
Fonte foto – Pixabay

 

A forma sustentável holandesa  de tratamento de água e reciclagem de lixo  é admirável e com certeza exemplos a serem seguindo. As crianças crescem dentro de um ambiente onde o cuidado com a natureza, e a maneira adequada de descartar os detritos faz parte do contexto cultural do dia-a-dia do individuo.

E na sua cidade, existe reciclagem de lixo? Conta pra gente!

Te vejo no próximo post.

 

Nota.: Este texto é uma adaptação/ atualização de outro texto meu publicado originalmente no site Brasileiras pelo Mundo, no qual fiz parte.

Deixe uma resposta