Adaptação das crianças em outro país

postado em: Vida na Holanda | 8

Ao buscar meus filhos na escola, um colega de classe perguntou se podia ir na minha casa brincar com o meu filho e a mãe perguntou o meu endereço e o horário que ela poderia buscar o filho dela.

Uma situação corriqueira, mas que me fez lembrar de quando chegamos na Holanda. Na ocasião meus filhos tinham 6 e 4 anos.  E quando resolvemos mudar de país sempre que comentava sobre a minha preocupação com a reação das crianças tinha sempre como resposta: “ Não se preocupe, criança se adapta fácil e aprende a língua muito rápido.”

Adaptacao de criancas fora do pais - brincar

Concordo em termos, a adaptação das crianças realmente é mais rápida do que a adaptação de um adulto, porém não existe facilidade nesse processo. Criança para se sentir ambientada precisa de referências como língua, amigos, escola, família.

E no primeiro momento tudo aquilo que a criança conhece se desfaz, a sua casa, seus amigos, sua professora predileta, sua comida favorita, sua língua materna ou seja, suas raízes.

A primeira etapa a vencer é a inserção da criança na escola. Ao chegarmos, o meu filho foi direcionado para grupo  2  onde existem apenas brincadeiras direcionadas e socialização, ou seja ele sentiu muita diferença do seu grupo no Brasil que já estava na alfabetização.

 

Adaptacao das criancas fora do país

Contudo, o mais difícil foi a aceitação das outras crianças por eles não falarem o holandês. O choro constante, agressividade, tristeza foram algumas das reações que tivemos que lidar. Aos poucos a aceitação do novo começou e os primeiros amigos surgiram.

O primeiro sinal de integração foram os convites para “dayplay” ( dia que as crianças vão brincar  juntas após a escola), depois os convites de aniversários fora da escola.

Hoje quando vejo os meus filhos cantando canções holandesas e contando fábulas, que só existem aqui, sinto um imenso orgulho. O coração antes apertado, agora sabe que eles estão prontos para os diversos desafios que a vida de expatriado oferece, afinal sempre serão estrangeiros mesmo que eles cresçam aqui.

Mas acredito que o papel dos pais é muito importante nesse processo para entender que cada criança tem o seu tempo e a reação ao novo tem suas particularidades. Como mãe sofro junto e quero amenizar qualquer sofrimento, mas a mudança é uma fase do crescimento que deve ser vivenciada.

 

Adaptacao das criancas fora do país - amigos

 

Percebo que não estou sozinha neste sentimento. Recebo e-mails de várias mães que passaram ou irão passar por esse processo. Por isso, afirmo que adaptação das crianças com a língua holandesa e integração são as palavras chaves em todos os casos.

Porém, o mais importante nisso tudo é entender como as crianças irão lidar com essa revolução em suas vidinhas. Pode ser numa fala, num desenho, num comportamento agressivo ou num isolamento, identifique os sinais de socorro e tenha paciência e aceite que isso é passageiro.

Apesar das particularidades todas as crianças irão se adaptar, cada qual no seu tempo, no seu ritmo, não deixe de buscar ajuda se necessário, existem centros de ajuda nas escolas para lidar com quaisquer dificuldades que o seu filho (a) venha a ter, além é claro da ajuda profissional com psicólogos.

Quando se trata dos sentimentos dos filhos nada é fácil, mas saiba que é possível. E apesar de pequeninos as crianças nos ensinam que a força para vencer todos os obstáculos vem do sorriso, mesmo que seja após uma lágrima.

E você, qual foi a sua experiência de adaptação com seus filhos? Conta pra gente.

Te vejo no próximo post.

 

Nota.: Este texto é uma adaptação/atualização de outro texto de minha autoria publicado originalmente no site Brasileiras pelo Mundo.

 

8 Responses

  1. Roberta

    Oi Melissa, parabéns pelo texto tão bem escrito.
    Eu acredito que da mesma forma que alguns adultos não se adaptem a viver em outro país, algumas crianças podem sentir o mesmo, com a diferença de que não são as responsáveis por decidir se ficam ou se voltam pra casa e com o tempo se habituam ao que não pode ser mudado.
    Assim como vc eu sempre ouço que as crianças tiram de letra.
    Aqui em casa não têm sido tão simples assim. Meus filhos estão sofrendo bastante e pedem constantemente pra voltar. Tenho me esforçado ao máximo para minimizar as dores do novo é também para deixá-los seguros de que eu e o marido estamos juntos com eles, mas me parte o coração quando vejo meu filho chegar mudo da escola e mesmo eu tentando conversar, não consigo sentir o filho tão alegre que eu tinha no Brasil. Ele tem 8 anos.
    Minha filha mais velha, com 19, tenta transparecer menos, sei que não quer nos preocupar, mas também vejo que sofre, chora escondido.
    A menor, de 3 anos, vira e mexe fala da saudade, da saudade da professora do Brasil, da comida, do avô, da nossa casa.
    6 meses se passaram. Me dizem que agora tende a melhorar. Estou ansiosa por isso e é muito bom ouvir relatos como o seu.
    Ah! Sobre o orgulho, ontem foi o último dia de aula do meu filho do meio. Ele cantou 3 musiquinhas. Eu fiquei muito, muito orgulhosa. Tenho acompanhado de perto o quanto tem sido difícil pra ele e fico feliz em vê-lo forte, tentando ultrapassar barreiras. Mas nas minhas lágrimas de comoção também tinha muita tristeza. As vezes me questiono se estou certa fazendo-os passar por tantas dificuldades.
    Um abraço!

    • melissanaholanda

      Oi Roberta,
      Obrigada por ler o blog. Chorei ao ler o seu relato, pois eu revivi o que já passei. Por isso te digo, força . Daqui pra frente seu coração vai se acalmar pois eles irão encontrar o caminho da felicidade novamente. Talvez ainda tenha algumas lágrimas , mas o sorriso e velha gargalhada vai chegar. E sobre se estamos fazendo o certo, obrigando-os a sair do Brasil, não sei, me faço essa pergunta todos os dias. Mas agora o peso dela está mais leve, entrou na categoria de dúvidas que todas nós temos ao criar filhos. Uma abraço forte em você.

  2. Luciana

    Ótimo texto, Melissa! Tivemos algumas turbulências aqui em casa no inicio do ano letivo passado e procuramos ajuda de uma psicóloga, melhor coisa que fizemos! Sou totalmente a favor de procurar ajuda profissional, nem que seja para ouvir da profissional: “não se culpe!” rs…
    Grande bjo.

    • melissanaholanda

      Obrigada Lu, bom ler seu depoimento e saber que não estou sozinha. Beijos

  3. Bethania

    Estamos de mudança pra Amsterdã esse mês (eu, meu esposo e nossa filha de 4 anos) e seu blog já foi pros meus favoritos! Amei o texto e deu uma acalmada no meu coraçao de mãe super preocupada com essa fase de adaptação!! Parabéns e obrigada pelo relato.

    • melissanaholanda

      Olá Bethania, Obrigada por ler o blog. E acalme seu coração vai dá tudo certo! A adaptação não é fácil, mas é possível. Seja bem vinda!

  4. Nadia

    Olá Melissa, estou passando pela mesma situação. Moro na França há 2 meses e minha filha está começando a demonstrar sinais de afliaçao ao chegar na escola. Chora desesperadamente, tenho tentado ser forte e acalma-la. Seu texto e experiencia transmitida me deixou mais confiante de que tudo isso faz parte de um processo e com coragem e muita determinação tanto nos pais, como nossos filhos sairemos mais fortes desta experiência. Gratidão !

    • melissanaholanda

      Olá Nadia,
      Fico feliz que gostou do texto, obrigada por ler o blog. Realmente não é um processo fácil, mas passa. Parabéns pela força e apoio que está dando para sua filha, esse suporte é que os pequenos precisam.
      Abraços
      Melissa

Deixe uma resposta